Pelé, Botafogo-PB e Lula, o goleiro 999

pele_botafogopb
Pelé na Paraíba. Proibido de fazer o milésimo nesse jogo

Às vezes, um jogo despretensioso entra para a História por acontecimentos inesperados e vira mais uma surpresa da caixinha futebol, mudando a vida de seus protagonistas. 

Em 1969, o campeonato nacional chamava-se Taça de Prata e era disputado pelos campeões e vice estaduais, nos moldes da atual Copa do Brasil, com jogos ida e volta eliminatórios. Em novembro daquele ano, a tabela colocou os santistas em uma mini turnê, com uma sequência de jogos em Recife, Salvador e Rio de Janeiro no prazo de uma semana. Pelé anotara até então 996 gols em sua carreira. O país todo acompanhava a chegada do milésimo.

Primeira parada, Recife. 4 a 0 no Santa Cruz, com 2 gols dele. Agora eram 998. Um convite, aceito pela direção praiana, para realizar um amistoso na vizinha Paraíba levou o time a João Pessoa. Enfrentariam o Botafogo local que comemorava o bicampeonato estadual.

O temor do milésimo gol ser marcado num jogo inexpressivo, em um estádio acanhado, nada condizente com a relevância do feito baixou na turma santista. Seria o total antimarketing. Pelé estava proibido de marcar naquela noite. Do lado do Botafogo, muita ansiedade e a quase certeza que entrariam pra história pelos pés do rei. De pênalti o 999, com o placar já em 2 a 0. Gol prometido ao governador paraibano, durante uma recepção ao elenco no Palácio do Governo (que causou duas horas de atraso no início da partida).

pele_botafogopb_1
De pênalti, o gol 999, no Estádio Olímpico, em João Pessoa/PB

Promessa cumprida, hora de prevenir algum desastre. Uma “providencial” contusão do goleiro santista Jairzão colocou Pelé pra defender a meta praiana. As regras da época não permitiam substituições durante a partida. E não era a primeira vez que ele jogava nessa posição (defendeu até pênalti contra o Grêmio em semifinal, mas isso fica pra outro post). O goleiro santista confirmaria anos mais tarde a combinação, feita nos vestiários. E assim, o suspense ficou para o jogo seguinte, contra o Bahia, em Salvador.

O fim dessa História todos sabem. O milésimo gol saiu no Maracanã, contra o Vasco, dias depois de Pelé passar em branco no empate em 1 a 1 contra o tricolor baiano.

pele_bahia
Fonte Nova, Salvador/BA. Zagueiro impede o milésimo gol e é vaiado
lula_botafogo_pb
Lula, o 999. Jogo pra ficar na história

Mas o jogo de João Pessoa marcou a vida do goleiro Luis Marques, o Lula, do Botafogo. Além do gol sofrido (999), ganhou a camisa do rei e até hoje é lembrado por Pelé. Virou o goleiro 999.

O curioso é que uma recontagem feita pela Folha de S. Paulo, em 1995, dava o tento marcado na Paraíba como o verdadeiro milésimo. Segundo a reportagem, um gol feito por Pelé, em jogo disputado pela seleção do exército teria deixado de ser computado na soma oficial. Com a sua inclusão, a camisa de Lula teria 4 dígitos. Alheio às polêmicas, o ex-arqueiro paraibano segue feliz com seu papel de coadjuvante especial em um momento histórico do futebol.

 

Anúncios

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.