Matthias Sindelar. A vida em troca de um gol

matthias_sindelar_voleio
Matthias Sindelar, maior jogador da Áustria em todos os tempos

Nos anos 30 a Áustria montou uma fortíssima seleção que não dava chance a nenhum adversário. Conhecido como Wunderteam (Time fantástico), chegou às semifinais da Copa de 34, na Itália, depois de despachar França e Hungria. Perdeu justamente para o time da casa, num jogo daqueles bem suspeitos. Bom lembrar que naqueles anos o fascismo se consolidara com Mussolini e Hitler e avançava rapidamente sobre a Europa. Imagine a pressão por uma vitória italiana em sua casa.

A vida seguiu e a Áustria também seguiu triturando adversários. O maior astro do time era Matthias Sindelar, o “Homem de Papel”. Magro, leve e muito habilidoso, bailava em campo. Tornou-se o maior jogador da história do futebol austríaco, não só pelo talento com a bola nos pés, mas por sua coragem e princípios.

Em 1938, ano da Copa do Mundo na França, Sindelar e seu time eram favoritos mais uma vez ao título. A poucos meses do início do torneio, a Alemanha nazista invadiu e anexou a Áustria, naquilo que ficou conhecido por Anschluss (anexação). De país independente passava a fazer parte do território alemão, com anuência de grande parte da população e autoridades.

No futebol, os times de futebol juntaram-se à liga alemã e sua seleção não existiria mais. Depois do fiasco nos Jogos Olímpicos de Berlim, a conquista da Copa era ponto de honra para os nazistas, que viam os esportes como um bom instrumento de propaganda política. Oito jogadores do Wunderteam foram imediatamente convocados para defender a Alemanha.

Antes, uma partida entre os dois times seria realizada, para celebrar a união e o início de uma nova era do futebol alemão. Anteriormente já haviam se enfrentado duas vezes, com duas vitórias arrasadoras do time de Sindelar (5×0 e 6×0). Seria o último jogo do Wunderteam, e era pra ser com derrota (haviam perdido apenas 4 das 54 partidas que disputaram).

austria_alemanha_anschluss_match_1
Sindelar (camiseta escura) na sua última partida. Rebeldia explícita lhe custaria vida

Mas, esqueceram de combinar com a Áustria, e a freguesia se manteve. O placar mais magro — 2×0 — não escondeu a superioridade do time comandado por Sindelar. O Homem de Papel jogou muito. Marcou um dos gols e comemorou eufóricamente diante das tribunas com autoridades nazistas, demonstrando toda a sua antipatia para com os invasores. Atitude corajosa que praticamente selou sua sentença de morte.

Ainda foi comunicado depois que se jogasse a Copa e os alemães vencessem, a história seria esquecida. Porém Sindelar era duro na queda. Alegando uma contusão grave, declinou da oferta e não quis integrar a equipe nazista, anunciando o encerramento de sua carreira de jogador profissional. Ninguém acreditou na história.

Como retaliação, foi proibido de jogar em qualquer time e também impedido de deixar o país. Os times pelos quais jogou foram extintos e muitos de seus colegas perseguidos pelas autoridades. Sindelar abriu um café, mas era seguidamente perturbado pelos nazistas, que lhe provocavam em seu estabelecimento.

A Copa rolou e o time alemão, mesmo reforçado por atletas do Wunderteam, fracassou logo na primeira fase, sendo eliminado pela Suíça por 4×2 no jogo desempate, depois de empate por 1×1 na primeira partida e na prorrogação. Prova maior que sem união não há craque que dê jeito.

No começo de 1939, seis meses após a malfadada partida, Sindelar e sua esposa foram encontrados mortos em sua casa, asfixiados por gás. A versão oficial foi a de suicídio. A sentença, afinal, fora cumprida.

Seu funeral atraiu 40 mil pessoas que se atreveram a homenagear o ídolo, apesar da pressão dos alemães. Era um orgulho para aqueles austríacos que não concordavam com a anexação nazista. A guerra explodiria poucos meses depois. E alguns anos mais tarde, já encerrado o conflito, Sindelar recebeu nova homenagem. A Rua Laaerberg, onde viveu e morreu, ganhou seu nome, passando a se chamar Sindelarstrasse.

 

 

Autor: Francisco Milhorança

Designer gráfico, artista visual e apaixonado por futebol (não necessariamente nessa ordem).

Uma consideração sobre “Matthias Sindelar. A vida em troca de um gol”

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s