O gol mais triste do mundo

gol_valdes_chile_urss_73
Valdes, do Chile, marca o gol que classificou a seleção para Copa de 74

Há 44 anos, em 11 de setembro de 1973, um feroz golpe militar liderado pelo general Augusto Pinochet derrubava o governo socialista de Salvador Allende, eleito democraticamente três anos antes. Pinochet era o Comandante em Chefe que por trás tramava toda a operação, com apoio concreto dos Estados Unidos. Traído, Allende resistiu junto com alguns outros que não o abandonaram. A Força Aérea bombardeou o local e o exército invadiu. A história oficial conta que Allende se matou. Mas há muita suspeita de uma execução sumária pelos militares.

O Estádio Nacional, em Santiago, foi convertido em um gigantesco campo de concentração, com mais de 20 mil pessoas detidas por serem contrárias ao golpe. Boa parte delas nunca saiu de lá viva.

estadio_nacional_chile_73
Estádio nacional. Sai o futebol, entra a repressão

Naquele ano de 73 aconteciam as eliminatórias da Copa do Mundo que seria disputada no ano seguinte, na Alemanha Ocidental (o país somente só se reunificcaria em 1990). Derrotado nas eliminatórias sul americanas, o Chile ia disputar a repescagem com a URSS, país com o qual o novo governo militar rompeu imediatamente suas relações diplomáticas.

A primeira partida foi em Moscou, em 26 de setembro, duas semanas após o golpe. Os jogadores chilenos estavam muito receosos do que poderia ocorrer a eles e às suas famílias caso perdessem o jogo. O empate em 0x0 deixou a decisão para Santiago, em novembro. Os soviéticos, porém, se recusaram a disputar a partida no Chile, devido à repressão que acontecia no país. Exigiam disputar em um campo neutro, fora do Chile.

urss_chile_imprensa_73
O empate em Moscou foi muito comemorado na imprensa chilena

Anos depois, um dos jogadores daquele time soviético, Oleg Blokhin, declarou que a essa decisão havia sido iniciativa dos atletas, receosos por suas vidas ao disputar uma partida em um país que estava caçando socialistas e comunistas. O governo soviético apenas apoiou.

O governo militar recusou qualquer alteração do local do jogo, reafirmando o Estádio Nacional como palco da decisão. Milhares de prisioneiros foram transferidos para outras prisões e campos de concentração para mostrar ao mundo que o Chile não tinha nada a esconder do mundo.

Em 21 de novembro, diante de um público de 18 mil torcedores, a seleção chilena entrou no campo. Como o prometido, seu adversário não compareceu. O árbitro chileno apitou o início da partida e o time chileno trocou passes até que o capitão Valdes recebeu e tocou pra meta vazia, convertendo o que os chilenos chamam de “o gol mais triste do Chile”. Como já se sabia que não haveria a partida, o Santos, que estava excursionando no país, foi contratado para enfrentar a Seleção e oferecer um jogo para aqueles que estavam nas arquibancadas. Mesmo sem Pelé, o time fez 5×0. Pra mim, insuficientes pra cobrir a vergonha de participar daquela farsa.

chile_urss_eliminatorias_73
Estádio Nacional. Jogadores chilenos avançam para a meta vazia. Gol de Pinochet

A FIFA referendou o Chile na Copa, colocando um placar de 2×0. Na Alemanha, os chilenos foram eliminados na primeira fase, com dois empates e uma derrota. A ditadura de Pinochet só terminou em 1990, pressionada pelo opinião pública mundial e derrubada por um plebiscito que o próprio governo convocou.

Hoje, um pequeno pedaço das arquibancadas do Estádio Nacional virou um monumento para que a lembrança daqueles dias terríveis impeça que eles se repitam. A Escotilha 8, a saída 8, foi escolhida por ser a preferida pelos prisioneiros, que alegavam conseguir dali, acenar para seus familiares que se aglomeravam ao redor do estádio na esperança de encontrá-los ainda com vida. O local foi mantido como estava naquela época, separado apenas por um cercado simples e uma faixa com a frase “Um povo sem memória é um povo sem futuro”.

estadio_nacional_escoltilha_8_chile
Estádio Nacional hoje. Foto roubartilhada do El País. Crédito: Felipe Trueba (efe)
escotilha8_estadio_nacional_chile
Interior do estádio. Foto roubartilhada do El País. Crédito: Santiago Chamas

Autor: Francisco Milhorança

Designer gráfico, artista visual e apaixonado por futebol (não necessariamente nessa ordem).

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s