Colombina


Albert Girau*

As flores-luz da Lua,

Alvura luminosa,

Florem na noite nua –

Eu morro de brancura!

Meu alvo é só seu alvo,

Busco num rio escuro

As flores-lua da Lua,

Alvura luminosa.

Eu só seria salvo

Se o céu me concedesse

O dom de ir desfolhando

À flor de teus cabelos

As flores-luz da Lua!

* Poema recriado por Augusto de Campos para a apresentação
em português da peça
Pierrot Lunaire, de A. Schoenberg,

Comente aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.