Futebol em quatro atos

ato I – NO PALCO

A bola veio espirrada, meio dividida com o zagueiro. Ele segue na jogada e num segundo se esparrama no chão, tornozelo atingido sem dó pelo bico da chuteira adversária. A partida não tinha nem 15 minutos jogados e já era a terceira pegada que levava no mesmo pé direito, que mal se recuperara de um entorse acontecida algumas rodadas atrás. Continue Lendo “Futebol em quatro atos”

Os caras mais durões

brigoes_lovatopor Cláudio Lovato Filho* | ilustração Francisco Milhorança

Ele estava refletindo sobre caras durões. Os caras mais durões que ele já tinha visto em campo na sua vida. Seus ídolos. Seus grandes heróis. Continue Lendo “Os caras mais durões”

Faísca

futebol_cronica_ilustracao_faisca
Dinho era um negro alto e forte, bastante popular entre os moradores da Vila. Boa praça, fugia de polêmicas e discussões. Para ele tudo era muito simples, preto no branco. Não havia espaço pra nuances. A pessoa era honesta ou desonesta. Polícia era polícia, bandido era bandido. O sujeito era trabalhador ou vagabundo. Rico era rico, pobre era pobre. Todo advogado era patife e qualquer político um ladrão. Homem ou mulher (se bem que não se importava com gays ou lésbicas. Não admitia mesmo era bissexualismo, gostar de homem e de mulher).

Continue Lendo “Faísca”

A Pátria de Chuteiras, de Nelson Rodrigues

Didi_contra_Chile_copa_do_mundo_62
Didi (à esq.), craque do Botafogo, do Fluminense e da Seleção Brasileira. Para Nelson Rodrigues, tinha a elegância de um Príncipe Etíope

“Por outro lado, convém aceitar esta verdade recente — o campeão não é apenas um jogador de futebol. É um herói: nenhum clube, nenhum povo tem o direito de vender seus heróis.”

Nelson Rodrigues proferiu essa frase em uma crônica no Jornal dos Sports, em 1958. Narrava o imenso absurdo – segundo ele – da possibilidade de transferências de alguns jogadores da seleção campeã de 1958.

Nelson_Rodrigues_no_Maracana
Nelson no Maracanã. Para ele, a Seleção era a “Pátria de Chuteiras”

Um dos maiores autores do teatro brasileiro, Nelson Rodrigues foi um apaixonado pelo futebol e pelo Fluminense. Mas também foi um arguto observador e crítico do Brasil e do brasileiro. Cada partida era munição para mordazes crônicas, onde seu talento criava mitos e anti heróis que representavam a nação.

“Pelé podia virar-se para Miguel Ângelo, Homero ou Dante e cumprimentá-los, com íntima efusão: — ‘Como vai, colega?’”

A Pátria de Chuteiras reúne crônicas publicadas ao A_Patria_de_Chuteiras_Nelson_Rodrigueslongo dos anos 50 até os anos 70. Sua leitura é uma viagem por um futebol e um país que não mais existem, mas que se tornaram imortais pelo talento de Nelson. Delícia de leitura.

“Foi a vitória do escrete, e mais: — foi a vitória do homem brasileiro, que é, sim, o maior homem do mundo. Hoje o Brasil tem a potencialidade criadora de uma nação de napoleões.”

 

O futebol nas palavras do craque Tostão

images
Tostão na Copa de 70. Hoje, um craque com as palavras

“O futebol pode ser visto, analisado, admirado e imaginado de diferentes maneiras. Essa multiplicidade de olhares, a beleza do jogo e a presença marcante e frequente do imponderável fazem do futebol o esporte mais popular, mais emocionante e mais surpreendente do mundo. Continue Lendo “O futebol nas palavras do craque Tostão”